postado em 10 de ago. de 2016, por Antonio Plais

O gerenciamento da lógica que rege o funcionamento das organizações está, cada vez mais, atraindo a atenção dos executivos. Em diversas indústrias, como bancos, seguradoras, financeiras, serviços de saúde, telecomunicações, aviação civil, governos, e outras, este gerenciamento é, de fato, crucial para a sobrevivência das empresas. Mas como encarar este desafio, e vencê-lo com sucesso? Apenas gerenciar as regras de negócio através dos sistemas informatizados é suficiente? Quais as melhores práticas para o gerenciamento das decisões de negócio, uma nova classe de ativos organizacionais?

Com base em dezenas de projetos e iniciativas de mudança que fizeram uso do gerenciamento de decisões, e obtiveram estrondoso sucesso no gerenciamento de sua lógica e regras de negócio, cinco passos fundamentais podem ser sugeridos para levar ao caminho do sucesso:

Compreenda a disciplina

Antes do advento dos conceitos do gerenciamento e modelagem de decisões, expressos no livro The Decision Model: A Business Logic Framework Linking Business and Technology, escrito por Barbara von Halle e Larry Goldberg em 2009, a lógica de negócios era encontrada espalhada e enterrada em documentos de requisitos, modelos de processos, interfaces de aplicativos, e mesmo na cabeça das pessoas que operavam e desenvolviam os sistemas. Mesmo sendo uma disciplina recente, e que ainda está em evolução, o gerenciamento de decisões rapidamente encontrou seu lugar ao sol, e, hoje, é estudado e discutido por pessoas, empresas e instituições ao redor do mundo (veja o artigo).

Existem diversas fontes de conhecimento sobre modelagem de decisões disponíveis. O Capítulo 7 do livro acima descreve como começar com bastantes detalhes. No site da Centus está disponível uma série de artigos a respeito. Outros sites e autores podem ser pesquisados, e muita informação começa a se tornar disponível. Com este conhecimento em mãos, você poderá avaliar melhor os impactos da modelagem de decisões na sua empresa, e o melhor caminho e os recursos necessários para um projeto de sucesso.

Conheça e documente suas dores

Antes de se decidir por uma nova abordagem para o gerenciamento de suas regras de negócio, é importante que você documente suas práticas atuais, e identifique as áreas de lacuna e as oportunidades de ganho que podem ser obtidas com a aplicação do gerenciamento de decisões. Procure por iniciativas que podem gerar um impacto significativo na sua empresa, tanto do ponto de vista tangível como intangível. Pense não só no curto prazo, mas também nos benefícios de agilidade e facilidade de adaptação que já se tornaram comuns nas empresas que adotaram a modelagem de decisões para o gerenciamento de sua lógica de negócios. Fazendo isto, você poderá, no futuro, comparar os resultados previstos com os resultados obtidos, e mensurar o impacto real do gerenciamento de decisões na sua empresa.

Escolha o projeto piloto correto

O objetivo do projeto piloto é provar a viabilidade do gerenciamento de decisões, através da criação de benefícios tangíveis. O piloto deve ser suficientemente complexo para mostrar a extensão e a profundidade da nova abordagem, mas deve ser limitado o suficiente para ser concluído em um período de 3 a 6 meses. O projeto deve ter suficiente atenção das principais partes interessadas, e deve ser capaz de resolver um problema real de negócio.
 
A utilização de conceitos e metodologias ágeis, como a metodologia KPIStep, pode ser uma importante medida para reduzir os riscos e os custos do piloto. A orientação de um time de especialistas com experiência de sucesso em implementações de gerenciamento de decisões é crucial. Um bom modelo de engajamento usa uma abordagem "lidere, treine, oriente", onde a competência de gerenciamento e modelagem de decisões vai sendo construída através de iterações sucessivas cada vez mais autônomas. A modelagem de decisões vai muito além de uma simples notação ou ferramenta; a abordagem correta e o gerenciamento do processo de modelagem têm papel fundamental na adoção com sucesso da disciplina.

Preste atenção na sua arquitetura

O gerenciamento de decisões impacta a arquitetura corporativa, a modelagem de processos, o gerenciamento de dados, e o desenvolvimento de sistemas da empresa. Arquitetos de decisão devem estar atentos aos obstáculos à frente, para desenvolver um roteiro de integração do gerenciamento de decisões com as outras disciplinas em uso na organização que leve ao sucesso. Não empregar um arquiteto de decisão capacitado nos projetos de gerenciamento de decisões leva a uma abordagem de "tentativa e erro", que poderá por a perder todo o esforço colocado na iniciativa, e impedir que os ganhos planejados sejam efetivamente obtidos.

Comunique

É muito fácil ficar completamente imerso no projeto em andamento, e se esquecer de manter as diversas partes interessadas a par dos avanços. A utilização de técnicas ágeis, como reuniões diárias, listas de backlog, sprints curtos, gestão à vista, e outras, são fundamentais para avaliar constantemente o andamento dos trabalhos, corrigir os desvios da rota planejada, e levantar lições aprendidas que possam ajudar na evolução dos trabalhos. Um esforço extra deve ser dedicado à avaliação e discussão de eventuais dificuldades, e o alinhamento constante das entregas do projeto com as expectativas dos patrocinadores e das partes interessadas.

Conclusão

Ao seguir os passos descritos acima, você estará no caminho de construir um repositório centralizado da lógica do seu negócio e da sua empresa, o que garantirá a consistência e a acurácia através das diversas funções, departamentos, regiões e processos. A agilidade e velocidade de mudança aumentarão na medida em que a maturidade no gerenciamento de decisões evoluir, e a governança do negócio e a conformidade com as políticas, regulamentos e legislação que afetam a empresa diminuirão o risco e os custos de fazer negócios.

Este artigo contém ideias e conceitos do Modelo de Decisão originalmente publicados em SapienDecision Blog: 5 STEPS FOR SUCCESSFUL BUSINESS RULES MANAGEMENT, 31 de Julho de 2015, por Michael Grohs