Postado em 9 de ago. de 2020 por Antonio Plais

Originalmente postado por Marc Lankhorst e Matthijs Scholten*, no blog da BiZZdesign - Tradução e adaptação autorizados

Há algum tempo publicamos uma postagem sobre como os arquitetos corporativos podem contribuir para a inovação. Nesta nova série de postagens, queremos explorar mais os vários papéis que os arquitetos corporativos podem desempenhar na inovação nas suas organizações. Em geral, nós vemos uma crescente necessidade por, e a contribuição, de uma perspectiva arquitetural sobre a inovação. Isso é necessário porque a maioria das grandes organizações se transformou em monstros bastante complexos, e inovar nestas condições nem sempre é uma tarefa fácil. Muitas partes móveis precisam ser coordenadas, mas poucas pessoas possuem a visão geral necessária para fazer isso. É aqui que tipicamente a arquitetura corporativa pode adicionar valor.

Nós vemos três papéis principais para os arquitetos na inovação:

  1. Arquitetar para a inovação: para facilitar a inovação, a complexidade da organização precisa ser desafiada. De outra forma, se tudo está conectado com tudo, a mudança se torna praticamente impossível. Os arquitetos podem criar espaço para a inovação reduzindo a sua complexidade e facilitando a mudança. Esta é a perspectiva de dentro-para-fora com a qual a maioria dos arquitetos está acostumada.
  2. Coordenar a inovação: quando existem muitas ideias e iniciativas inovadoras, você precisa coordenar e priorizar os investimentos. Para onde a organização quer ir e em que medida estas iniciativas estão alinhadas com os resultados de negócio desejados? Isso oferece uma perspectiva de fora para dentro sobre a inovação.
  3. Iniciar a inovação: Arquitetos corporativos possuem uma posição privilegiada para serem capazes de conectar tendências de negócio e de tecnologia do ambiente para as estruturas internas da empresa. Esta perspectiva de fora para dentro ajuda a organização a detectar, avaliar e responder às oportunidades e tendências no seu ecossistema mais amplo.

Nesta série de postagens, exploraremos estes três papéis, começando pelo primeiro.

Arquitetar para a inovação

A maioria das empresas estabelecidas cresceu organicamente ao longo dos anos, adicionando departamentos, funções e sistemas por partes, sem considerar os impactos maiores destas adições.
Além disso, mesmo que tenha havido uma prática de arquitetura consistente e madura envolvida na evolução da empresa, as escolhas arquiteturais do passado podem não mais ser adequadas no presente, e especialmente podem não suportar os movimentos da empresa em relação ao futuro.

Por exemplo, um princípio comum da arquitetura é "reusar antes de comprar antes de fazer": ao invés de criar algo novo, nós precisamos reusar o que nós já temos, porque a duplicação de funcionalidades é desnecessariamente cara, leva à inconsistência de dados etc. Faz sentido, não faz? Bem, talvez nem sempre...

Aplicar este princípio geralmente leva a sistemas enormes e centralizados que tentam fazer tudo para todo mundo. Estes sistemas muitas vezes começaram pequenos. Então, chega um novo requisito que é coberto, digamos, em 80% por este sistema, mas requer 20% de novas funcionalidades. É muito melhor expandir um pouco o sistema existente do que comprar alguma outra coisa, certo? Vamos apenas ligar este módulo adicional do fornecedor, ou adicionar uma nova tabela ao banco de dados, e assim por diante. Mas cada extensão se torna cada vez mais difícil, uma vez que você tem que considerar o impacto no sistema inteiro.
Assim sendo, precisamos nos livrar destes monólitos, uma vez que eles atrasam a nossa evolução.

Podemos introduzir uma orientação para serviços e fazer tudo com microsserviços: elementos funcionais de granulação fina, leves, com baixo acoplamento, com interconexões claras baseadas em padrões. Vamos, também, organizar nossas pequenas equipes ágeis em torno destes serviços e permitir que eles inovem localmente. Isso tornará a vida muito mais fácil. Bem, talvez nem sempre...

Muito frequentemente, panoramas de microsserviços evoluem de forma similar para uma complicada rede de dependências, conectando tudo com todo o resto. Anteriormente, esta bagunça podia estar escondida nas entranhas do nosso enorme sistema legado. Que nós possamos ver isso mais claramente é certamente um progresso, mas, novamente, a mudança se torna progressivamente mais difícil por causa de todas as interdependências que nós introduzimos.

Mais ainda, garantir a consistência dos dados através de tal rede de serviços não é uma tarefa fácil. O desempenho pode se tornar um problema por causa da rede de comunicação entre todos estes serviços. E se cada equipe é livre para escolher sua própria pilha de tecnologia (como alguns agilistas querem que seja), você pode imaginar a complexidade e o risco resultantes para a empresa. Finalmente, como você sabe que aquilo que todas estas equipes individuais decidiram fazer realmente contribui para os resultados de negócio desejáveis para a empresa como um todo?

Uma vez que você considere estes aspectos, se torna óbvio que uma arquitetura sólida é tão relevante como sempre se você quer inovar e manter a inovação. Os princípios clássicos em torno de acoplamento e coesão de sistemas ainda se aplicam. A partir da sua perspectiva de 'visão ampla', os arquitetos podem ajudar a decidir onde integrar ou separar as partes do seu negócio e do seu panorama de TI. Desde o nível do negócio e para baixo, pensar sobre capacidades de negócio autônomas ajuda você a particionar sua arquitetura em partes que evoluam e inovem de forma independente. Abordagens como a estratificação por ritmo (pace layering) permitem que você compreenda e oriente as diferentes velocidades da mudança nas várias partes do seu panorama.

Em direção à arquitetura para a inovação

Conceitos como os expostos acima ajudam não apenas na redução da complexidade e, assim, aumentam a flexibilidade e a agilidade, mas também na formatação explícita do espaço para a inovação. Onde você poderia criar espaço para a exploração e a descoberta de valor potencial de negócio, sem introduzir riscos financeiros e operacionais indesejados? E há muito mais coisas na caixa de ferramentas dos arquitetos que ajudam as suas organizações a fomentar a inovação e a mudança. Nós acreditamos que os esforços bem-sucedidos de mudança corporativa são suportados por percepções e colaboração inteligente por toda a empresa. Por exemplo:

  • Identificação de Tendências & Ideação: Criação de Perfis de Inovação - use esta técnica para monitorar tendências tecnológicas e colocá-las no contexto do negócio. Abaixo está um exemplo usando conceitos da linguagem ArchiMate, mostrando as capacidades de negócio, patrocinadores e especialistas internos, ideias de inovação relacionadas à (neste caso) tendências da Internet das Coisas para a nossa empresa-modelo de energia ArchiPower. Isso foi modelado como Motivadores, e o conteúdo da visão abaixo foi gerado a partir dos relacionamentos entre os elementos do modelo:

blog innovation 001

  • Identificação de Tendências & Ideação: Fluxos de Inovação - alcance processos de ideação mais produtivos atribuindo um escopo para as ideias que (quaisquer) empregados possam ter. O conceito aqui é que as ideias estão, na realidade, conectadas com a organização e seus constituintes.
  • Análise da Inovação: Avaliação da Prontidão para a Inovação - use esta métrica para identificar as áreas no seu negócio (e.g. usando um mapa de capacidades) que precisam de mais espaço para a inovação ou áreas que se destacam. Abaixo você pode ver um mapa de calor como esse, mostrando de vermelho para verde o nível de prontidão para a inovação das capacidades da ArchiPower. Você pode notar, por exemplo, que as capacidades Legal, Regulatory Affairs, Risk & Compliance, e Finance, não estão muito prontas para a inovação.

blog innovation 002

  • Decisões de Inovação: Cenários de Inovação - crie cenários de inovação para mostrar as escolhas entre custos/benefícios a serem feitas para a seleção das iniciativas de inovação que estão avançando em direção à execução. Um exemplo é mostrado abaixo, mostrando vários aspectos dos cenários e algumas métricas usadas para avaliá-los.

Mapeamento da Inovação: da Ideia para o Negócio

Você deve compreender, no entanto, que os dias do "grande desenho antecipado" já se foram. Arquitetos corporativos não podem mais desenhar um estado alvo fixo distante no futuro. O mundo em torno de nós simplesmente muda muito rápido e as necessidades das nossas partes interessadas mudam de acordo. Ao invés disso, ao proporcionar decisões e orientações apenas suficientes, no tempo certo, na forma de "arquiteturas intencionais", arquitetos podem ajudar as suas organizações a se manterem flexíveis e inovativas.

Na nossa próxima postagem desta série daremos uma olhada no segundo papel dos arquitetos na inovação: coordenação. Fiquem ligados!

* Mark Lankhorst é Gerente de Consultoria & Evangelista-Chefe de Tecnologia, e Matthijs Scholten é consultor, na Bizzdesign, empresa líder em ferramentas para modelagem da arquitetura corporativa, representada no Brasil pela Centus Consultoria.

 

 ArchiMate From theory to practice thumbnail

eBook ArchiMate - Da Teoria à Prática

Inovação, regulações em constante mudança, novas possibilidades tecnológicas, uma nova direção estratégica; estas são algumas das razões pelas quais muitas organizações estão em constante movimento.

Este livro apresenta as melhores práticas dos autores, fruto da experiência do uso da linguagem ArchiMate em dezenas de projetos reais, em clientes dos mais diversos ramos de negócio. Uma leitura fundamental para quem quer se iniciar na prática da modelagem da arquitetura corporativa.

Solicite sua cópia GRÁTIS aqui