Postado em 7 de fev. de 2017 por Antonio Plais

Originalmente postado por Henry Franken*, no blog da BiZZdesign - Tradução autorizada

Na postagem inicial desta série, discutimos a noção de problemas estratégicos e a necessidade de reconciliá-los para definir a estratégia de uma organização. Nesta postagem, falaremos sobre o Canvas de Modelo de Negócio (baseado no excelente livro escrito por Alexander Osterwalder) como uma ferramenta que ajuda a (a) comunicar a respeito de escolhas estratégicas, (b) analisar o modelo de negócios da organização, e (c) consolidar os resultados de várias análises como SWOT, análise da cadeia de valor, ou análise do Oceano Azul.

O Canvas de Modelo de Negócio

O Canvas de Modelo de Negócio é um canvas pré-estruturado com nove blocos de construção básicos, como mostrado na figura abaixo:

BMC_1

O Canvas de Modelo de Negócio pode ser usado em uma grande variedade de organizações e situações. Os benefícios variam de organização para organização, mas incluem coisas como: (a) obter uma visão de página única do modelo de negócios da organização, (b) desmistificar o campo do gerenciamento da estratégia, (c) ferramenta sólida para ligar as estratégias nos diferentes níveis dos (múltiplos) negócios das organizações, (d) acelerar o desenvolvimento de planos estratégicos periódicos em organizações governamentais, etc. Em outras palavras, os benefícios vão desde a comunicação melhorada até a análise e execução da estratégia.

Problemas Estratégicos e o Canvas de Modelo de Negócio

O canvas fornece uma visão integrada e holística do modelo de negócios das organizações. Uma vez que o modelo de negócios pode ser visto como o resultado da definição da estratégia, ele fornece um bom ponto de partida para documentar, analisar e desenvolver estratégias. Para ver como isso funciona, consideremos dois problemas estratégicos:

  • O problema da vantagem competitiva: As duas escolas de pensamento em relação a este problema são o "pensamento de dentro para fora" e o "pensamento de fora para dentro"
    • Para uma análise da primeira abordagem, começaríamos tipicamente a partir do lado esquerdo do canvas: quais são as nossos recursos/parceiros/atividades principais. Daqui movemos para a direita, e trabalhamos com uma proposição de valor que nos permita obter sucesso explorando estas capacidades, e finalmente chegamos aos segmentos de mercado onde pretendemos fazer isto acontecer.
    • Para a segunda abordagem, a argumentação segue exatamente o caminho inverso: começamos selecionando um mercado atrativo (por exemplo, após conduzir uma análise do oceano azul) e trabalhamos para trás através da proposição de valor até a infraestrutura necessária para a organização.
  • Com respeito a organizações multi-negócio, o problema que deve ser resolvido gira em torno da seguinte questão: lutar por sinergias ou por responsividade ao mercado em cada negócio:
    • Comece desenhando o canvas para cada unidade de negócio.
    • Compare os canvas, e procure por sinergias usando o canvas para obter uma percepção do valor da perspectiva de sinergia (isto é, à "esquerda" para obter sinergias no nível dos recursos/atividades, ou à "direita" para obter sinergias no nível da proposta de valor).
    • Analise o ambiente estratégico para cada um dos negócios (novamente, podemos utilizar a abordagem do oceano azul, ou usar o modelo de cinco forças de Porter, ou a análise PEST) para obter uma percepção do valor da perspectiva da responsividade.
    • Compare, discuta, e faça uma escolha!

Mapeando Modelos Estratégicos no Canvas

Na minha experiência, estrategistas tendem a usar uma ampla variedade de ferramentas e métodos para fazer o seu trabalho. A questão é: como (o resultado de) estas ferramentas e modelos podem ser integrados, e como isso se alinha com o canvas de modelo de negócio?

A resposta para esta pergunta é mais fácil do que você pode pensar. Estas ferramentas são usadas para gerar opções estratégicas, e o canvas pode ser usado para mapear o seu impacto, interdependência, e por aí vai. A figura a seguir ilustra esta linha geral de pensamento:

BMC 2

Nesta configuração, os estrategistas podem usar tantas ferramentas eles queiram para testar e encontrar o melhor curso de ação futuro para a organização. Opções estratégicas resultam de cada uma destas análises. Por exemplo, percepções obtidas através de uma análise SWOT + Matriz de Confrontação pode levar à percepção de que uma fraqueza (pouco pessoal para marketing ativo) pode ser contrabalançada por uma oportunidade (usar as mídias sociais para engajar diretamente os clientes e construir uma reputação forte). Esta percepção pode ser combinada com resultados das análises das cinco forças, que mostram que a concorrência está lutando com uma equipe relativamente idosa, e poucos deles procuram engajar diretamente os clientes através de modernas técnicas de comunicação. Neste caso, as duas opções se reforçam (o que uma coisa boa). O oposto é também possível, o que deveria ser uma "bandeira vermelha", levando a investigações adicionais.

O canvas é uma ferramenta indispensável para os estrategistas. Ele fornece um ponto focal para as várias análises estratégicas. Na próxima postagem nesta série mergulharemos na execução e na implementação do canvas do modelo de negócios.

* Henry Franken é fundador e diretor da Bizzdesign, empresa líder em ferramentas para modelagem da arquitetura corporativa, representada no Brasil pela Centus Consultoria.

 

EA Practice Tumbnail PtBr

eBook A Prática da Arquitetura Corporativa

Ao longo das últimas décadas a Arquitetura Corporativa evoluiu para se tornar uma disciplina estratégica com foco no gerenciamento da complexidade das mudanças constantes nas organizações.

Este livro não propõe um novo framework, teoria ou abordagem para a Arquitetura Corporativa. Ao contrário, os autores compartilham suas experiências e lições aprendidas com vários projetos desenvolvidos ao redor do mundo.

Solicite sua cópia GRÁTIS aqui